quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Caras sem expressões
Vidas sem sal e pimenta
Linguagens corporais óbvias...
Gestos sem emoções.

Magnetismos fracos
Inteligências escassas
Conversas cansativas
Olhos sem brilho.

Eternidades perdidas
em efemeridades ou
Significâncias insignificantes:
Nada!!

Maria Vaz







 

domingo, 9 de fevereiro de 2014

Dizer o quê?
As palavras, além dos actos,
seguem tramites de infidelidade:
deturpam o perceptível
na ausência da espontaneidade
das expressões.

MV