sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Quero o que não vi
A beleza, em si!
O que desperta sentimento
na rosa da cor que não há:
o que irrompe num tremor lento
a cada respiração que dá.
O que quero nunca vi,
deve andar por aí,
mas não se eternizará.
O eterno adoece
o que não se compadece
com o ideal que nascerá.

Maria Vaz

2 comentários:

  1. Descobri-a no no Letras in.verso e reverso. Quero felicitá-la pela sua apologia à escrita sobretudo à poesia. Bem haja. Ana Maria Oliveira

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Ana Maria Oliveira! Não imagina o significado que essas palavras têm para mim! :)

      Eliminar