quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Brisa
Aroma
Beleza
Redoma
Surpresa
Paixão
Natureza
Alucinação
Tudo vida:
matéria-prima da sensação.
E a razão?
Essa dorme divertida.
Não necessita de afirmação.
Pode ficar bem escondida
e soltar-se na introversão.
Sabem que mais?
Deixemos a existência estendida
ao sol da imaginação.
Ela não será esquecida
e não atormentará o coração.

2 comentários:

  1. Deixemos, pois... Há dias em que é o melhor que poderemos fazer. ;)
    Um poema leve, como a 'brisa' com que se inicia... Um poema sussurro que parece tecido por quem em verdes prados infinitos dança ao ritmo da própria existência. Assim como as árvores... bailando com o sopro do vento.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  2. Resultou do meu optimismo: aquela sensação cujas palavras me faltam para extravasar; uma espécie de abraço ao mundo em que o sorriso se insinua e em que penso que a eternidade é tão maior do que a minudência do que vemos. Ser optimista e ter como que uma alma de criança, ao mesmo tempo que se tem noção da imprudência existencial ao querer colorir o mundo de uma cor mais bela do que o real. O resultado é o excesso em que se avultam pequenos desgostos que me fazem renascer. E há sempre um novo sorriso, por nada, e um mundo que se volta a colorir... e um ciclo vicioso que não se quebrará até ao dia que a essência se sobrepuser. :)

    ResponderEliminar