sábado, 2 de janeiro de 2016

A tranquilidade inundou-lhe os sentidos 
Ante o azul sem fim.
A brisa trazia-lhe liberdade 
Enquanto oscilava entre as ondas do cabelo
E o pensamento voava mais do que os pássaros deslumbrantes que estavam por ali.
O sol estava no zénite 
E a natureza batia-lhe no rosto com o infinito,
Como o alvorecer de claridade,
Como um doce afago de criança. 

Maria vaz

Sem comentários:

Enviar um comentário